| COMO CHEGAR | FAVORITOS | CONTATO | ANUNCIE | TELEFONES ÚTEIS |
NEWSLETTER
   

15/10/2010 15:42:46


Pedágio da D. Pedro I foi tema de audiência na 1ª Promotoria

Por: Assessoria de Imprensa Câmara Municipal da Estância de Atibaia

O pedágio da rodovia D. Pedro I voltou à agenda das discussões na cidade. O vereador Prof. Rodrigo Parras considerou bastante produtiva a audiência realizada pelo promotor Fabiano Augusto Petean, atendendo representação que ele encaminhou ao Ministério Público. O promotor convocou, além do vereador, a Prefeitura e a concessionária Rota das Bandeiras para esclarecer a instalação da praça de pedágio na altura do km 79,9. A audiência foi na manhã da última quarta-feira, 13 de outubro.

A promotoria entende que a população foi prejudicada pelo pedágio, que dividiu em dois a cidade, e solicitou esclarecimentos às partes envolvidas. A população atingida na região tem cerca de 6 mil veículos. Há moradores que gastam até R$ 400 por mês nos deslocamentos entre o bairro e a cidade.

Conforme o termo de deliberação, preparado pelo Ministério Público, Nelson Tadashi Tsunoda, diretor de engenharia e representante da Rota das Bandeiras, afirmou na audiência que a praça de pedágio se encontra devidamente instalada, diante do edital e do contrato de concessão. Como a praça de pedágio foi deslocada do km 75 para o 79,9, "por se tratar de menor quilometragem de percurso entre as praças, houve redução da tarifa para os usuários de Atibaia".

O custo é de R$ 4,80 em Atibaia. Há mais dois pedágios na rodovia, um em Itatiba e outro em Igaratá. A praça antes utilizada em Nazaré Paulista foi demolida, conforme determinação do Estado. Como outorga, a Rota das Bandeiras teve de arcar com um valor de R$ 1,4 milhão. O contrato de concessão é por 30 anos.

"É um absurdo termos três pedágios em 80 km da rodovia. O motorista que vai de Atibaia a Campinas paga 20 reais; entre Jacareí e Campinas, são 30 reais. Temos de dar uma satisfação à população, que foi bastante prejudicada pelo pedágio. Acredito que o problema poderá ser resolvido, com o empenho das partes", considerou o vereador Prof. Rodrigo. O pedágio, autorizado pelo Estado, é fiscalizado pela Artesp, a agência reguladora do transporte no Estado.

"Quanto aos munícipes, não foram trazidas sugestões por parte da empresa (Rota das Bandeiras) para a eventual solução pois, além de a discussão ainda não ter se encerrado, há ação civil pública proposta sobre o tema em andamento, em sede de agravo no Tribunal de Justiça", informou no termo de deliberação o titular da 1ª Promotoria de Atibaia. A ação em andamento foi proposta por associação de moradores e aguarda-se decisão sobre agravo de instrumento.

A Prefeitura, representada na audiência pelo chefe de gabinete Paulo Catta Preta, informou que seu posicionamento é de proteger a população da situação, gerada pelo contrato de concessão estadual. A administração pretende viabilizar rotas alternativas para a população local. Atualmente, as vias municipais, dos dois lados da rodovia, estão em precárias condições, mas já funcionam como rotas de fuga para moradores e motoristas.

A eventual construção de praça de bloqueio nas vias municipais, isentando-se os moradores da cobrança do pedágio, também foi discutida na audiência. Segundo o promotor, essa construção só pode ocorrer com a concordância da empresa concessionária (que olha o problema sob a ótica da viabilidade econômica), do Estado e do município.

A promotoria concedeu prazo de 15 dias para que a empresa Rota das Bandeiras apresente cópia do edital e do contrato de concessão. O mesmo prazo foi concedido à Prefeitura, à Câmara e aos demais representantes para a apresentação de mais elementos e provas documentais que auxiliem na resolução da matéria.

"Foi uma reunião muito produtiva. O promotor nos orientou no sentido de não gerarmos qualquer expectativa na população, até porque são procedimentos iniciais, de coleta de informações sobre o pedágio, especialmente os detalhes do edital e da concessão. O pedido inicial pode até ser arquivado mas - o mais importante - foi gerada uma discussão que pode levar a um acordo de fato, conciliando os interesses da concessionária e as necessidades da população", comentou o Prof. Rodrigo.

 

 

Compartilhe este texto:

|

 

COMENTAR >>

Os comentários e textos assinados por colaboradores ou assessorias de imprensa não refletem, necessariamente, a opinião do portal www.atibaia.com.br. Todas as informações são de integral responsabilidade de seus autores.

 

publicidade

publicidade
Ref: 408331 - CASA ASSOBRADADA

Busca de notícias:

 

Banco de Empregos
Total de vagas: 525

 

publicidade

últimas notícias

:: Homem de 45 anos morre atropelado em rodovia em Bragança Paulista
24/10/2014 15:39:22

:: Confira o horário de funcionamento dos cemitérios no feriado de Finados
24/10/2014 13:23:42

:: Câmara realizará audiência pública do Orçamento 2015 no dia 18 de novembro
24/10/2014 13:19:30

:: Prof. Paulo Jesus solicita ação em massa para reparo de vias
24/10/2014 13:12:18

:: Dr. Edison comenta proposta para melhorar aquisição de materiais por alunos de escolas públicas
24/10/2014 13:02:01


Empresário é morto com taco de madeira em Atibaia
2311 visitas
Perguntas e respostas sobre a crise de falta de água em São Paulo
1601 visitas
Crise da água em São Paulo poderia ser evitada, diz presidente da ANA
1371 visitas
Nasa publica imagem que mostra efeito da seca no Sistema Cantareira
834 visitas
Outubro Rosa: Palestra de Prevenção ao Câncer de Mama é realizada na UBS Oswaldo Paccini
743 visitas

publicidade