| COMO CHEGAR | FAVORITOS | CONTATO | ANUNCIE | TELEFONES ÚTEIS |
NEWSLETTER
   

15/10/2010 15:42:46


Pedágio da D. Pedro I foi tema de audiência na 1ª Promotoria

Por: Assessoria de Imprensa Câmara Municipal da Estância de Atibaia

O pedágio da rodovia D. Pedro I voltou à agenda das discussões na cidade. O vereador Prof. Rodrigo Parras considerou bastante produtiva a audiência realizada pelo promotor Fabiano Augusto Petean, atendendo representação que ele encaminhou ao Ministério Público. O promotor convocou, além do vereador, a Prefeitura e a concessionária Rota das Bandeiras para esclarecer a instalação da praça de pedágio na altura do km 79,9. A audiência foi na manhã da última quarta-feira, 13 de outubro.

A promotoria entende que a população foi prejudicada pelo pedágio, que dividiu em dois a cidade, e solicitou esclarecimentos às partes envolvidas. A população atingida na região tem cerca de 6 mil veículos. Há moradores que gastam até R$ 400 por mês nos deslocamentos entre o bairro e a cidade.

Conforme o termo de deliberação, preparado pelo Ministério Público, Nelson Tadashi Tsunoda, diretor de engenharia e representante da Rota das Bandeiras, afirmou na audiência que a praça de pedágio se encontra devidamente instalada, diante do edital e do contrato de concessão. Como a praça de pedágio foi deslocada do km 75 para o 79,9, "por se tratar de menor quilometragem de percurso entre as praças, houve redução da tarifa para os usuários de Atibaia".

O custo é de R$ 4,80 em Atibaia. Há mais dois pedágios na rodovia, um em Itatiba e outro em Igaratá. A praça antes utilizada em Nazaré Paulista foi demolida, conforme determinação do Estado. Como outorga, a Rota das Bandeiras teve de arcar com um valor de R$ 1,4 milhão. O contrato de concessão é por 30 anos.

"É um absurdo termos três pedágios em 80 km da rodovia. O motorista que vai de Atibaia a Campinas paga 20 reais; entre Jacareí e Campinas, são 30 reais. Temos de dar uma satisfação à população, que foi bastante prejudicada pelo pedágio. Acredito que o problema poderá ser resolvido, com o empenho das partes", considerou o vereador Prof. Rodrigo. O pedágio, autorizado pelo Estado, é fiscalizado pela Artesp, a agência reguladora do transporte no Estado.

"Quanto aos munícipes, não foram trazidas sugestões por parte da empresa (Rota das Bandeiras) para a eventual solução pois, além de a discussão ainda não ter se encerrado, há ação civil pública proposta sobre o tema em andamento, em sede de agravo no Tribunal de Justiça", informou no termo de deliberação o titular da 1ª Promotoria de Atibaia. A ação em andamento foi proposta por associação de moradores e aguarda-se decisão sobre agravo de instrumento.

A Prefeitura, representada na audiência pelo chefe de gabinete Paulo Catta Preta, informou que seu posicionamento é de proteger a população da situação, gerada pelo contrato de concessão estadual. A administração pretende viabilizar rotas alternativas para a população local. Atualmente, as vias municipais, dos dois lados da rodovia, estão em precárias condições, mas já funcionam como rotas de fuga para moradores e motoristas.

A eventual construção de praça de bloqueio nas vias municipais, isentando-se os moradores da cobrança do pedágio, também foi discutida na audiência. Segundo o promotor, essa construção só pode ocorrer com a concordância da empresa concessionária (que olha o problema sob a ótica da viabilidade econômica), do Estado e do município.

A promotoria concedeu prazo de 15 dias para que a empresa Rota das Bandeiras apresente cópia do edital e do contrato de concessão. O mesmo prazo foi concedido à Prefeitura, à Câmara e aos demais representantes para a apresentação de mais elementos e provas documentais que auxiliem na resolução da matéria.

"Foi uma reunião muito produtiva. O promotor nos orientou no sentido de não gerarmos qualquer expectativa na população, até porque são procedimentos iniciais, de coleta de informações sobre o pedágio, especialmente os detalhes do edital e da concessão. O pedido inicial pode até ser arquivado mas - o mais importante - foi gerada uma discussão que pode levar a um acordo de fato, conciliando os interesses da concessionária e as necessidades da população", comentou o Prof. Rodrigo.

 

 

Compartilhe este texto:

|

 

COMENTAR >>

Os comentários e textos assinados por colaboradores ou assessorias de imprensa não refletem, necessariamente, a opinião do portal www.atibaia.com.br. Todas as informações são de integral responsabilidade de seus autores.

 

publicidade

publicidade
Ref: 410970 - CASA ASSOBRADADA

Busca de notícias:

 

Banco de Empregos
Total de vagas: 522

 

publicidade

últimas notícias

:: Corredor Dom Pedro terá operação especial no domingo (02), dia de Finados
31/10/2014 13:08:02

:: Câmara aprova projeto que determina divulgação do telefone da Ouvidoria em ônibus
31/10/2014 13:03:23

:: Daniel Martini destaca necessidade de participação popular no processo político
31/10/2014 13:00:52

:: Dr. Ubiratan homenageou as pessoas que lutaram pela democracia durante o Regime Militar
31/10/2014 12:05:32

:: Câmara realizará audiência pública do Orçamento 2015 no dia 18 de novembro
31/10/2014 11:29:25


Nasa publica imagem que mostra efeito da seca no Sistema Cantareira
1178 visitas
Confira datas e postos de vacinação gratuita contra raiva em cães e gatos em novembro
1150 visitas
Briga entre inquilino e proprietário termina em morte em Atibaia,
1053 visitas
Homem comete suicídio após matar enteada e ferir ex-mulher em Atibaia
953 visitas
Região: Centauro abre contratação para mais de 1.900 vagas
926 visitas

publicidade