| COMO CHEGAR | FAVORITOS | CONTATO | ANUNCIE | TELEFONES ÚTEIS |
NEWSLETTER
   
  Notícias
   Cidade
   Cultura
   Esporte
   Meio Ambiente e Saúde
   Pets Achados/Perdidos
   Problemas da Cidade
   Região
   Coluna do colaborador
   A Mulher
  Guia de empresas

   Hospedagem
   Restaurantes
   Alimentos
   Comércio
   Construção
   Cultura e Lazer
   Educação
   Esportes
   Imobiliárias
   Indústria
   Saúde
   Serviços
   Utilidade Pública
   Veículos
   Cadastre sua empresa
  Banco de Empregos
   Consultar Vagas
   Cadastrar Vagas
   Turismo
   História
   Folclore
   Cinema
   Eventos
   Fotos
   Vídeos
   Tempo
   Enquete
   Telefones úteis
   Seja um colaborador

05/03/2013


Coluna do Colaborador: A mídia e o julgamento do ex-goleiro Bruno

Por: Luiz Flávio Gomes

A mídia e o julgamento do ex-goleiro Bruno

Observatório Crítico do Direito

LUIZ FLÁVIO GOMES, jurista e diretor-presidente do Instituto Avante Brasil. Estou no blogdolfg.com.br

A mídia pode interferir nos julgamentos criminais? A mídia está interferindo no julgamento do ex-goleiro Bruno? No nosso livro (que acaba de ser lançado pela Saraiva: Populismo penal midiático, p. 98 e ss.) procuramos mostrar, com todas as evidências, que sim. Há duas espécies de populismo penal midiático: o conservador clássico busca o consenso ou o apoio popular para o endurecimento penal contra os criminosos das classes baixas, os estereotipados, os marginalizados; o conservador disruptivo almeja a condenação e o agravamento penal dos crimes dos poderosos, dos que comandam, dos que mandam.

Ora a mídia atua como empresária moral (interferindo na opinião pública e no legislador para a edição de novas leis penais), ora age como justiça paralela (mídia justiceira), muitas vezes acusando, julgando e condenando o réu, no mínimo com a pena de humilhação pública.

De qualquer forma, é ela hoje que se comunica com o povo, é ela que fala a linguagem do povo e é nela que o povo confia (pelo menos, mais do que na Justiça). O mundo acadêmico criminológico fala para ele mesmo (e nunca eles se entendem nem sequer entre eles mesmos). A mídia faz um discurso direto, tendo eliminado a intermediação do acadêmico. Ela explica os crimes e as leis do modo dela, consoante os interesses dela. O discurso que não dá ibope é cortado na raiz.

Ocorre que, para dar ibope, faz-se necessário explorar a emotividade gerada pelos crimes. Naturalmente reagimos de forma apaixonada frente aos criminosos (dizia Durkheim) e sempre desejamos, consoante o processo mnemotécnico descrito por Nietzsche, as penas mais duras possíveis (porque exclusivamente elas atendem o desejo de vingança, que é uma festa popular - a dor e o sofrimento do criminoso gera muito prazer nas pessoas).

A mídia não é um poder (não é o quarto poder). É uma força relevante dentro da democracia, tanto quanto o é a advocacia, a defensoria, o Ministério Público, a polícia etc. Como força que busca interferir na busca da verdade ou no resultado dos julgamentos, ela (já que conta com mais credibilidade junto à população que a própria Justiça - todas as pesquisas confirmam isso), muitas vezes, consegue coisas que nem sequer a Justiça alcança.

Por exemplo: no caso do ex-goleiro Bruno o "Fantástico" conseguiu ouvir o seu primo Jorge Luiz (menor na época dos fatos), colocando no ar "seu depoimento". O que a Justiça não vem conseguindo fazer, a Globo fez. E o povo todo, inclusive quem vai servir de jurado do caso, viu e ouviu a nova versão dessa importante testemunha, que foi a primeira a revelar que Eliza Samúdio foi levada a um local afastado para ser assassinada.

Ou seja: a primeira testemunha (do julgamento de Bruno) já foi ouvida! Quem vai participar como jurado do caso já começou a formar o seu convencimento. E tudo isso sem a interferência do advogado e do promotor do caso. É dessa forma que a mídia exerce sua expressiva força. É dessa forma que ela é hoje sumamente relevante para a busca da verdade ou para a tentativa de manobra dos resultados dos processos (tal como ocorreu, em vários momentos, no mensalão).

Não existe democracia sem mídia. Logo, a questão não é mais perguntar se ela tem ou não relevância nos julgamentos (é óbvio que tem), sim, o quanto ela pode e o quanto ela não pode interferir na Justiça (por meio do que se chama de publicidade opressiva). É isso que discutimos no nosso livro. Avante e boa leitura!

 

Compartilhe este texto:

|

 

Colaboração de Luiz Flávio Gomes

LFG - Jurista e professor. Fundador da Rede de Ensino LFG. Diretor-presidente do Instituto Avante Brasil e coeditor do atualidadesdodireito.com.br. Foi Promotor de Justiça (1980 a 1983), Juiz de Direito (1983 a 1998) e Advogado (1999 a 2001). Siga-me: www.professorlfg.com.br / @professorLFG

Clique aqui para ler outros textos deste colaborador

 

COMENTAR >>

Os comentários e textos assinados por colaboradores ou assessorias de imprensa não refletem, necessariamente, a opinião do portal www.atibaia.com.br. Todas as informações são de integral responsabilidade de seus autores.

 

publicidade

publicidade

Busca de notícias:

 

Banco de Empregos
Total de vagas: 279

 

publicidade

últimas notícias

:: Greve dos bancários: dicas do Procon para evitar prejuízos com a paralisação
23/09/2016 11:59:34

:: Artigo: 8 passos para perder clientes em tempos de crise
23/09/2016 11:42:58

:: Câmara votará inclusão de atividade para parksonianos no programa Atibaia Ativa
23/09/2016 11:38:37

:: Cremesp abre Concurso Público com salários de até R$ 8,8 mil
23/09/2016 11:34:22

:: Emprega SP/Mais Emprego: 4.053 oportunidades em todo o Estado
23/09/2016 11:29:10


Rota das Bandeiras realiza ação na Semana Nacional do Trânsito
2721 visitas
Câmara aprovou moção de congratulações ao judô de Atibaia
934 visitas
Saúde: Aspirina a cada três dias evita enfarte, com risco menor
905 visitas
Incêndio atinge fábrica de bancos para veículos em Atibaia
863 visitas
Vereador denuncia superfaturamento de asfalto em Atibaia
780 visitas

publicidade